A CHEIA DO NILO, UM MOSAICO DE MAIS DE 2.000 ANOS .

Por: Pri Betelgeuse

Coordenadora da Divisão de Arqueoastronomia da A.A.P.


1. - Mosaico do Nilo de Palestrina

Ao longo da história, as enchentes do nilo tem sido um importante evento natural que acontece de forma cíclica no vale do rio Nilo e no seu delta, no Egito, desde a época antiga. Eses eventos são celebrados pelos egípcios com festividades que duram duas semanas e se iniciam em 15 de agosto. Os antigos egípcios acreditavam que as cheias do rio Nilo se deviam às lágrimas de Ísis pelo seu falecido irmão-marido Osíris.


Mosaico Palestrina

O mosaico "Palestrina" ou mosaico da "Cheia do Nilo de Palestrina" é um mosaico de piso helenístico tardio representando a vida durante a cheia do Nilo e a passagem do Nilo Azul para o Mediterrâneo. O mosaico fazia parte de uma gruta-santuário clássica em Palestrina, uma cidade a leste da Roma Antiga , na Itália central.

Vida no Nilo durante a cheia, autor desconhecido, século II BC, Palazzio Barberini, Palestrina

foto de: Le Musée absolu,

Tem uma largura de 5,85 metros e uma altura de 4,31 metros e oferece um vislumbre do fascínio romano pelo exotismo egípcio antigo no século I aC, tanto como uma manifestação inicial do papel do Egito no imaginário romano e um exemplo do gênero " paisagem nilótica ", com uma longa história iconográfica no Egito e no mar Egeu.


2. - Origens


O Mosaico do Nilo aparentemente ainda era visto na cidade italiana de Palestrina, antiga Praeneste, no século XV. Quando notados pela primeira vez pouco antes de 1507 por Antonio Volsco, um humanista do círculo de Pomponio Leto, os mosaicos ainda estavam no local entre os vestígios do santuário de Fortuna Primigenia de Sula . Naquela época, a cidade era propriedade da família Colonna de Roma, cujo palazzo em Palestrina ocupava uma parte das ruínas.

Vida no Nilo durante a cheia, autor desconhecido, século II BC, Palazzio Barberini, Palestrina.

O mosaico pode ter sido indicado em uma conhecida passagem da "História Natural de Plínio" sobre pisos de mosaico na Itália.

Os mosaicos começaram a ser usados desde o regime de Sula, cônsul romano eleito por duas vezes em 88 e 80 a.C.

Antonio Volsco acrescentou que estes foram "organizados no padrão de uma imagem".


Século XVII


No século XVII, Palestrina passou para a família Barberini, que entre 1624 e 1626 removeu a maior parte do mosaico de seu cenário, sem registrar a composição geral, e, após novos movimentos e danos, o colocou em exposição no Palazzo Barberini em Palestrina , onde permanece.

Vida no Nilo durante a cheia, autor desconhecido, século II BC, Palazzio Barberini, Palestrina.

O mosaico foi restaurado e reparado em várias ocasiões, mas cuidadosas aquarelas das seções foram feitas para Cassiano dal Pozzo antes da restauração inicial no oficio de São Pedro. A redescoberta de Helen Whitehouse das aquarelas há muito perdidas permitiu uma reconstrução dos segmentos sobreviventes de uma maneira mais significativa embora muito permaneça incerto sobre a composição original. O mosaico tem sido uma característica importante do Museo Nazionale Prenestino no Palazzo Barberini, Palestrina (não é o de Roma) desde 1953. (fonte:wikipedia)

3. Referências

wikipedia - mosaico "cheia no nilo de palestrina"

Art a visual history - Robert Cumming - DK UK

História com Gosto

Blog de divulgação de temas de interesse histórico escritos de uma forma a serem agradavelmente percebidos


50 visualizações0 comentário