ARQUEOASTRONOMIA - MACHU PICCHU

Pri Betelgeuse

Coordenadora da Divisão de Arqueoastronomia da A.A.P.



MACHU PICCHU, desde que foi descoberta em 24 de julho de 1911 pelo americano Hiram Bingham, é considerada, por sua imponência surpreendente e construção harmoniosa, um dos mais importantes monumentos arquitetônicos e arqueológicos do planeta.


Localizada a 2.400 metros de altitude, na província de Urubamba, departamento de Cusco (Peru), Machu Picchu (Cumbre Mayor, em espanhol) surpreende pela maneira como as construções de pedra se desenrolam sobre uma colina estreita e irregular, cujas margens a 400 metros penhasco profundo - forma o cânion por onde se chega ao rio Urubamba.


Machu Picchu é uma cidadela cercada de mistério, pois até agora os arqueólogos não conseguiram decifrar a história e a função desta cidade de pedra de quase um quilômetro de extensão, erguida pelos Incas em uma área geográfica mágica, onde andina e a antiga Amazônia.


Talvez o mistério de Machu Picchu nunca seja totalmente revelado; Até agora, existem apenas hipóteses e conjecturas. Para alguns, era um posto avançado das projeções expansionistas incas; outros acreditam que era um mosteiro, onde se formaram as meninas (acllas) que serviriam ao Inca e ao Willac Uno (sumo sacerdote). Isso se presume porque dos 135 corpos encontrados nas investigações, 109 eram mulheres.


A surpreendente perfeição e beleza das paredes de Machu Picchu - construídas pela união de pedra sobre pedra, sem cimento ou cola - levantaram mitos sobre sua construção.


Dizem que um pássaro chamado Kak`aqllu conhecia a fórmula para amolecer as pedras, mas que por ordem, talvez dos antigos deuses incas, sua língua foi arrancada. Também é dito que havia uma planta mágica que dissolveu a rocha e poderia compactá-la.

Mas além dos mitos, o verdadeiro encanto de Machu Picchu, declarado Patrimônio Cultural da Humanidade, está em suas praças, em seus aquedutos e torres de vigia, em seus mirantes e em seu Relógio Solar, evidências da sabedoria e técnica dos construtores andinos.

- O Observatório Machu-Picchu


Um dos lugares mais estranhos de toda Machu-Picchu é o famoso Intihuatana, uma estrutura monolítica localizada a oeste da praça central da cidade. Rolf Muller, professor de astronomia da cidade americana de Potsdam, ao longo de seus estudos realizados em meados dos anos oitenta, encontrou evidências convincentes de que a cidade peruana foi erguida com um caráter astronômico marcante. Muller disse que se estendermos os lados longos deste Intihuatana, encontraríamos o lugar exato em que o sol está localizado no dia do solstício de verão. De acordo com esses cálculos aos quais devemos adicionar outros relacionados a diferentes lugares em Machu-Picchu, Muller chegou à conclusão de que a cidade deve ter sido construída em algum momento entre 4000 e 2000 aC. de C., atrasando assim em quase quatro mil anos a data proposta pela história tradicional.



Os pesquisadores Dearborn e White também trabalharam no famoso Intihuatana. A presença no topo do monumento de um curioso "gnômon" - um dispositivo projetado para medir as horas solares - parecia mostrar que essa construção foi feita para colocar o ponto mais alto do sol no céu. O lugar conhecido como Torreón possui uma grande parede semicircular, onde podemos encontrar duas janelas, e outra reta com o chamado portão de cobra. O pesquisador Jesús Galindo, contrariando as cronologias exageradas de Muller, mostrou recentemente que uma das janelas do Torreón está voltada para a constelação das Plêiades de acordo com sua localização por volta de 1500 dC. Da mesma forma, esta janela alinhada com um pequeno altar na parte inferior do Torreón marca o ponto do nascer do sol no solstício de inverno ao mesmo tempo.

Fonte: Portal Ciência


#pribetelgeuse

Arqueoastronomia

76 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo