ARQUEOASTRONOMIA MAIA

As construções maias com a vegetação da selva ao fundo não são apenas belas, mas mais um exemplo do talento deste povo. Algumas das construções cuja função religiosa é evidente para os arqueólogos apresentam uma característica muito notável: são alinhadas em relação ao céu de tal forma que servem como verdadeiros calendários de pedra em datas que foram importantes para o povo Maia. Um fato interessante na localização geográfica da área Maia é que estando abaixo da linha do Trópico de Câncer, o sol pode passar pelo zênite duas vezes por ano. Após o equinócio da primavera, o sol se move para o norte para atingir o zênite sobre o trópico de Câncer no solstício de verão e, em seguida, retorna ao equador para o equinócio de outono, nessa rota, o sol passa duas vezes no zênite da zona trópica a área Maia está localizada. Para os Maias, esses dois passos do zênite foram muito importantes do ponto de vista da agricultura e dos rituais. Pelo mesmo motivo levantaram construções que marcavam a passagem do zênite do sol, assim como os equinócios e solstícios. Por exemplo, temos o Templo das Sete Bonecas em Dzibilchaltún, Yucatán (México), onde a luz do sol atravessa o prédio ao amanhecer durante os equinócios. E no templo maia do Deus Descendente de Tulum, a luz do sol do solstício de inverno também penetra por uma janela no topo do edifício. Algo semelhante acontece na Casa do Governador em Uxmal. Por outro lado, em Uaxactún, todo um conjunto de edifícios foi colocado para realizar funções astronômicas. Colocado na estrutura piramidal da praça, pode-se ver o chamado Grupo E que é composto por três edifícios. Na direção do prédio central você pode ver o nascer do sol durante o equinócio e nos solstícios o sol pode ser visto nas construções laterais.


No México, a arqueoastronomia Maia atinge sua expressão máxima em Chichen Itzá, uma cidade que surgiu por volta de 550 DC e posteriormente abandonada no século X. Ela recuperou vida por volta de 1000 DC para ser novamente abandonada no século XIV. Ressalte-se que por volta do ano 800 a cidade foi invadida pelos toltecas, que construíram Teotihuacan, outro reduto da arqueoastronomia, que modificou o estilo de construção de Chichen Itza.


Um verdadeiro símbolo da atividade astronômica maia em Chichen Itzá foi "El Caracol", um edifício que se assemelha a um observatório astronômico moderno (com uma cúpula incluída). Também conhecido como "O Observatório", foi construído com fachadas de observação especialmente orientadas, ranhuras e perfurações para enfocar eventos siderais específicos. O observatório é deliberadamente desviado do alinhamento de sua plataforma principal com a intenção de que seus cantos opostos leste-oeste apontem para o nascer do sol no solstício de verão e o pôr do sol no solstício de inverno (linha A3). A plataforma principal está perfeitamente alinhada com a configuração de Vênus em sua declinação máxima ao norte (linha A1). O porão do observatório aponta para o pôr do sol à medida que passa pelo zênite (linha A2). E algumas das janelas e fendas do Caracol apontam para as estrelas Canopus (linha A4) e Castor (linha A5). Certamente esses não são os únicos alinhamentos encontrados no Caracol, já que foram estudados 29 alinhamentos, dos quais 20 correspondem a fenômenos astronômicos no horizonte; como o aparecimento do sol pela janela 1 durante o equinócio vernal ou a observação dos pontos extremos norte e sul de Vênus a partir das janelas 1 e 2.


⁃ Imagem - Imagem da "Estela 7" com o "Palácio das 7 donzelas" ao fundo, que também apresenta um importante alinhamento astronômico.



O espetáculo arqueoastronômico, mas conhecido mundialmente sobre o mundo Maia, é algo que acontece em "El Castillo" a "Pirâmide de Kukulkán" em Chitchen Itza. Construído há 800 anos, é um calendário solar incrível que marca os dias do ano, como os equinócios da primavera e do outono. O castelo é um templo em forma de pirâmide de 28 metros de altura com 91 degraus em cada uma de suas quatro faces. Os passos são um registro na pedra do sol. 91 degraus em 4 lados, mais um nível extra na plataforma para um total de 365, um pé para cada dia do ano. Em março e setembro, quando ocorrem os equinócios da primavera e do outono, respectivamente, as mastabas ou plataformas sobre as quais a pirâmide é construída projetam sombras triangulares nas paredes das escadas. As escadas são adornadas em sua base por cabeças de serpentes simples que simbolizam o Kukulkán (o Quetzalcoatl, a serpente emplumada) e os triângulos de luz e sombra causados pela iluminação do sol equinocial, causando uma fantástica ilusão de uma serpente que está descendo . a montanha do topo da pirâmide. Muito possivelmente a pirâmide de Kukulkan apresentou outros alinhamentos astronômicos em diferentes seções de sua construção, infelizmente perdemos esses alinhamentos hipotéticos. Quando a pirâmide foi descoberta, ela estava em um estado extremamente degradado, e a maior parte da construção que vemos hoje é o trabalho de um árduo processo de reconstrução.


O mundo Mai na América Central também possui sítios arqueoastronômicos interessantes. A cidade mais importante nesse sentido é Copán, em Honduras. Fundado no sigilo V BC. e abandonado na década de 850, havia um grande número de estelas e construções com motivos evidentemente astronômicos. Por exemplo, a estrela número 2 só recebe luz do sol em sua face frontal quando a estrela encontra seu solstício de inverno. Estelares 10 e 12 índios com seu alinhamento no posto solar em 12 de abril e 1º de setembro, o primeiro desses fechamentos é o início da estação chuvosa. Por mais interessante que seja este alinhamento, a estrela 12, no setor oeste de Copán, está localizada a 7 quilômetros da estrela 10, e esta é a última queda abaixo do horizonte.


Os encerramentos, 12 de abril e 1 de setembro, também estão envolvidos no edifício 22 "Observatório". O famoso arqueoastrônomo Anthony Aveni descobriu que uma parte ventosa deste prédio no meio do prédio tinha o pôr do sol nesses fechamentos. O pára-brisa sempre alinhado com Vênus ao anoitecer entre abril e maio. Mas eu costumava viver mais. Um ano antes de Vênus atingir sua posição mais alta no horizonte, o primeiro dia de visibilidade do planeta pelo para-brisa sempre recuou 8 dias, de 25 de abril a 3 de maio. Como consequência de atingir a posição extrema, o último dia de visibilidade de Vênus obedeceu aos mesmos fechamentos. Esses fechamentos marcados pelo pára-brisa e pelas posições de Vênus têm um motivo simbólico: o fechamento intermediário entre 25 de abril e 3 de maio, ou seja, 29 de abril, corresponde ao zênite do sol sobre Copán. Com eles, as estrelas mais importantes para a Vênus e o Sol maia estavam simbolicamente envolvidas no mesmo edifício. E essa função arqueoastrológica está perfeitamente corporificada nas cobras das cabanas de duas cabeças do edifício, uma representa a vênus e a ponta exatamente a ponta, a outra representa o sol e está apontando para a ponta. Dadas as implicações do Edifício 22, ele também foi chamado de Templo de Vênus.


O PÔR DO SOL DOS DEUSES


A grande civilização Maia, como todas as grandes civilizações da história, não poderia sobreviver para sempre em seu maior esplendor. Seu colapso ainda não está muito claro para arqueólogos e historiadores. As hipóteses são diversas. O que fez os Maias abandonarem suas cidades majestosas? Algumas das hipóteses mais aceitas sugerem que os Maias não sabiam como administrar suas terras para obter os alimentos de que necessitavam para sobreviver. As terras estavam empobrecidas, aparentemente houve um abuso no corte de árvores que causou erosões importantes da terra e prováveis mudanças no clima. A produção de alimentos diminuiu, as cidades foram afetadas. Os maias, que acreditavam que todas as generosidades da natureza eram produto dos favores dos deuses, como pagamento pelo sacrifício de sangue de seus senhores e nobres, começaram a abandonar as cidades-estado com a crença de que o sangue de seus reis era já não é do agrado dos deuses. Os grandes senhores perderam o poder e a civilização maia se desmembrou em pequenas aldeias camponesas. A grande civilização Maia havia morrido e apenas pedaços de sua herança passariam para os índios Lacandona e a feroz Chamula. O excessivo zelo evangelizador dos conquistadores seria a segunda grande tragédia do povo indígena maia, nele livros e códices maias muito valiosos foram destruídos, assim como várias obras de pedra que nos teriam permitido compreender melhor o passado Maia. Infelizmente, o pouco que resta da herança Maia entre os indígenas está sendo ameaçado pelo que pode ser a terceira grande tragédia Maia ... Atualmente, os indígenas maias são perseguidos por novos invasores: um governo que não entende plenamente seu social situação; um movimento de supostos guerrilheiros com mais habilidade de ação do que intenções de resolver problemas; grupos políticos que procuram manipular o conflito para seus próprios fins particulares; o assédio às religiões que dividem e, às vezes, exploram as famílias indígenas; e alguns estrangeiros que, longe de ajudar os indígenas, introduziram novos fatores que complicaram sua existência e tentam roubar sua identidade.


Esperançosamente, assim como a luz do sol ilumina o templo de Dzibilchaltún ao amanhecer, um futuro promissor também ilumina os últimos descendentes dos maias para alcançar a única coisa que realmente desejam: viver em paz e liberdade para desfrutar de seu maravilhoso patrimônio.


Biografia:


Arqueoastronomía. Jesús Ríos Alvarado. Sociedad Astronómica de la Laguna. Marzo 1996.

Copán, la ciudad que refleja el Universo. Pablo Villarrubia Mauso. Misterios de la Arqueología y del Pasado. Año 1 No. 6. 1997.

La astronomía entre los antiguos mayas. Elena Ortiz García. Misterios de la Arqueología y del Pasado. Año 1 No. 11. 1997.

Estudio del Códice Cortesiano. Alfonso Lacadena y Ana Verde. Misterios de la Arqueología y del Pasado. Año 1. Nums. 9 al 11.

El Calendario Maya. Antonio Bernal González. Revista Universo. No. 19. Nov. 1996.



Por Leila Ossola


Fonte: Arqueoastronomy


#pribetelgeuse


Arqueoastronomia

119 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo