ARTES PRÉ HISTÓRICAS REVELAM CONHECIMENTO ASTRONÔMICO DE POVOS ANTIGOS

Pri Betelgeuse

Coordenadora da Divisão de Arqueoastronomia da A.A.P.


Estima-se que há 40 mil anos humanos já calculavam o tempo com base na posição das estrelas e representavam artisticamente eventos astronômicos. Antigas pinturas rupestres encontradas na Europa mostram que civilizações ancestrais tinham conhecimentos avançados de astronomia. Especialistas acreditavam que algumas obras de arte representavam animais selvagens, mas uma nova pesquisa, publicada no periódico Athens Journal of History, indica que os desenhos representam constelações usadas para marcar datas e eventos astronômicos, como chuvas de meteoros e passagens de cometas. 

O estudo sugere que povos antigos já entendiam a precessão dos equinócios (ou axial), que é a mudança causada pelo gradual eixo rotacional da Terra. Estima-se que há 40 mil anos os humanos calculavam o tempo com base na posição das estrelas. A avaliação ainda aponta que as percepções astronômicas pode ter ajudado a navegação em mar aberto.

Pesquisadores das Universidades de Edimburgo e Kent, ambas no Reino Unido, analisaram detalhes da arte paleolítica e neolítica com símbolos de animais da Turquia, Espanha, França e Alemanha. Eles descobriram que todos os locais usavam o mesmo método de manutenção de datas, baseado na astronomia, embora as pinturas tenham sido feitas em diferentes momentos.


'Os arqueólogos ajudaram a esclarecer o entendimento das esculturas de pedra de Gobekli Tepe, na Turquia moderna, interpretadas como um memorial a uma devastadora chuva de cometas que teria acontecido por volta de 11.000 a.C.. Acredita-se que a tempestade tenha iniciado uma pequena era do gelo conhecida como o período Dryas recente.

Eles também decodificaram o que é provavelmente a obra de arte mais antiga conhecida do mundo: a Cena Lascaux Shaft. O trabalho, que mostra um homem morrendo e animais, pode representar outra chuva de cometas por volta de 15.200 a.C..

A escultura mais antiga do mundo, o Homem-Leão da Caverna Hohlenstein-Stadel, de 38.000 a.C., também está de acordo com a hipótese deste estudo. 

Os cientistas confirmaram os resultados da pesquisa comparando a idade de exemplares de arte rupestre – descoberta a partir da datação química das tintas – com as posições das estrelas nos tempos antigos, previstas por softwares sofisticados. "A arte rupestre mostra que as pessoas tinham conhecimento avançado do céu noturno na última era glacial. Intelectualmente, elas não eram muito diferentes de nós hoje", afirmou Martin Sweatman, da Escola de Engenharia da Universidade de Edimburgo.  


Pesquisa: Galileu

#pribetelgeuse

Arqueoastronomia



38 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo