COMO SE FORMOU A LUA?

Eminho Giglioti

Coordenador da Divisão Divisão Lunar da A.A.P.

Hoje a grande teoria e mais provável é de que nosso satélite natural se formou de um possível impacto, este impacto gerou detritos que através da força gravitacional tenha ficado em órbita do nosso planeta até gerar nosso satélite, um objeto mais ou menos do tamanho do planeta Marte colidiu num ângulo no qual o impacto foi apenas parte da esfera terrestre, ou seja, de raspão. Esta teoria foi então proposta pela primeira vez em 1975 por cientistas do Instituto de Ciências Planetárias de Tucson e pelo Instituto Harvard Smithsonian de Astrofísica e vários trabalhos neste modelo vem sendo mantidos até então e se mantém consensual na comunidade científica.

De acordo com a composição isotópica da Lua, o objeto que colidiu com a Terra denominado "Theia" deve ter tido origem dentro da órbita terrestre, inicialmente pensava-se que a força gravitacional da Terra agregou todo o material ao seu alcance para formar o planeta mas, conforme foi teorizado em 1772 por Lagrange, um grande matemático da época, existem cinco pontos na órbita da Terra nos quais os efeitos da gravidade do planeta se anulam em relação ao Sol. Dois dos pontos de Lagrange "L4 e L5" são considerados estáveis uma vez que qualquer material que lá se encontre só pode ser liberado por colisão ou qualquer outro evento catastrófico, L4 e L5 situados a 150 milhões de quilômetros da Terra são zonas com potencial para permitir a acrecção planetária em competição com a Terra, e foi em L4 que se pensava que "Theia" tenha se formado há 4,5 bilhões de anos no Hadeano.

Com a acrecção, Theia teria chegado ao tamanho de Marte ficando instável na sua posição L4 a partir dos 20 a 30 milhões de anos do seu surgimento, mas a força gravitacional impulsionava Theia para fora do ponto de Lagrangiano enquanto a força do "Coriolis" puxava o planeta de volta para a origem. Este problema fez com que sua órbita se torna-se cíclica fazendo assim ocorrer uma colisão inevitável com a Terra.

Muitas outras teorias em relação a formação da Lua são colocadas até hoje como hipóteses prováveis, são elas:

1 - É de que ela tenha se formado distante e tenha se aproximado e com interações gravitacionais tenha se mantido em órbita.

2 - A Terra e a Lua condensaram a partir do mesmo cinturão protoplanetario Inicial.

3 - A Lua separou-se da Terra mas foi formada dentro dela, possivelmente no "buraco" que hoje é oculto pelo oceano pacífico mas, podemos dizer que tal buraco tenha se formado do impacto sugerido na principal teoria.

4 - A Lua pode ter sido formada através de impactos nos primórdios da formação do sistema solar por grandes matérias como asteroides.

5 - O grande impacto de Theia que originou um um disco protoplanetario com ação gravitacional formou a Lua com o passar dos anos.

Em 28 e 29 de Outubro de 2017, observações na estrela Kepler 1625 conhecida por ter um planeta do tamanho de Júpiter que a orbita a cada 287 dias, revelou uma suposta formação lunar, "Kepler 1625 Bi" ou neptmoon, uma exolua ou lua extrassolar, termo que se refere à um satélite natural que orbita um planeta extrassolar ou como conhecemos popularmente "Exoplanetas".

Este disco circumplanetario "anel de poeira e gás" fornece material para formação de planetas gasosos e suas luas, algo bem parecido como nosso Júpiter na formação do sistema solar. Este disco está a 370 anos-luz de nós onde dois planetas orbitam uma jovem estrela e que agora através de imagens do "VLT" Telescópio de Grande Porte do ESO, localizou a formação desta exolua.

Poderíamos então dizer que nossa Lua pode ter sido criada através deste cinturão protoplanetario nos primórdios da formação do sistema solar?

Poderíamos usar como base de estudos esta descoberta e montar uma nova plataforma de estudos e cálculos e quem sabe sobrepor esta hipótese à teoria inicial do impacto do planeta Theia com a Terra?

Pois se formos analisar os fatos recentes de uma formação como a de Kepler 1625 Bi, poderia ser bem aceita por novas pesquisas científicas que nossa Lua se formou através de um disco protoplanetario e descartar um possível impacto como sugerem os cientistas do Instituto de Ciências Planetárias, mas pra isso seriam necessários anos ou talvez décadas de novos estudos e pesquisas incansáveis para então darmos a palavra final sobre a formação da Lua.

Mas enquanto isso temos modelos extrassolares e teorias que sustentam a formação do nosso satélite natural seja ele por impacto ou disco, quem sabe futuramente teremos novos estudos e poderemos dizer mais a respeito mas, o importante é que nossa Lua nos proporciona eventos maravilhosos seja na astrônomia, astrofotografia ou pelo simples modo de usar como um motivo para amar alguém, seja quaisquer o motivo ela estará sempre nos iluminando e nos trazendo grandes alegrias seja em qualquer fase. Pratique a astronomia observacional e aprecie nosso céu, você só tem a ganhar.

Eminho Giglioti

Coord Divisão Lunar





28 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo