OS CALENDÁRIOS MAIAS

Alguns pesquisadores que analisaram as estrelas e os códices maias conseguiram listar até 17 calendários diferentes, que foram feitos de acordo com vários ciclos celestes. Destes, dois são os calendários mais importantes na atividade diária dos maias. O primeiro deles é o calendário solar Haab de 360 dias, que se baseia na translação da Terra ao redor do sol. O outro é o calendário sagrado ou sacerdotal ou Tzolk'in, de 260 dias.


O Haab ou calendário solar consistia em 18 meses de 20 dias cada, o que dá um total de 360. A eles foram adicionados 5 dias chamados Uayeb, sem nome, que eram considerados dias ruins. Para a nomenclatura dos dias (chamados "Kin") foi feito colocando o dia anterior ao mês, como costumamos fazer em espanhol. Os dias eram numerados de 0 a 19 e os meses tinham nomes associados à natureza: cores, animais, estrelas. Um evento fantástico na história dos calendários maias aconteceu por volta de 249 aC. quando os sábios maias se reuniram em Huehuetlapan para fazer um ajuste no calendário. A partir dessa data, eles teriam três anos de 365 dias seguidos por um de 366 dias. Os maios inventaram o ano bissexto para ajustar a diferença entre o ano solar e a duração dos dias. No velho continente "civilizado", ainda teriam que se passar duzentos anos para que Júlio César decretasse uma reforma semelhante que hoje conhecemos como calendário juliano.


No entanto, esse ajuste não foi suficiente, pois ao longo dos anos foi possível perceber como os 365,25 dias do ano não foram suficientes para compensar o ajuste de algumas diferenças de calendário em relação ao início do ano (solstício de inverno). Mais uma vez a iniciativa foi realizada pelos maias, que se reuniram por volta do ano 775 de nossa era em Copán, na atual Honduras. A essa altura, a diferença entre o solstício de inverno e o início do ano civil já era de nove dias. Para corrigir essa diferença, os sábios maias fizeram um novo ajuste em seu calendário que deixou o ano em 365.242 dias, um valor que difere em apenas 24 segundos por ano que pudemos medir com nossa tecnologia atual. No entanto, na Europa, esse ajuste não ocorreria senão nove séculos depois! A essa altura, no ano de 1582, o papa Gregório XIII observava com preocupação como o calendário juliano impreciso carregava tantos dias de imprecisão que muito em breve ele teria que celebrar a Páscoa no meio do verão, em vez de imediatamente após o início da primavera. Para isso, foi implementado o calendário gregoriano que atualmente nos rege, porém, algo muito importante deve ser destacado: o calendário maia é mais exato do que o atualmente utilizado! Para o ajuste do calendário com o ano tropical, Gregório XIII (ou melhor, seus assessores científicos) suprimiu três anos bissextos a cada quatro séculos, o que produz um descompasso de um dia a cada 3225 anos. No entanto, os maias optaram por suprimir quatro dias bissextos em um período de 500 anos, o que produz uma incompatibilidade de um dia em 5.263 anos. Atualmente, a Organização das Nações Unidas tem vários projetos para corrigir o calendário atual, um deles é justamente usar a solução dos antigos maias. Se fosse implementado no alvorecer do terceiro milênio, teríamos finalmente adotado um calendário altamente preciso como o implementado pelos maias por 13 séculos.


Por seu turno, o ritual ou calendário Tzolk'in ainda guarda muitos mistérios. Por que um calendário de 260 dias? A razão permanece um mistério. Até o momento, foi descoberto que a referência mais antiga a um calendário mesoamericano de 260 dias vem de Monte Alban, Oaxaca, no sul do México, uma região dominada em seu tempo por zapotecas e olmecas. O calendário é datado de 600 AC. e suas origens astronômicas ainda não são claras. Por exemplo, três anos e meio de eclipses correspondem a dois tzolkins, o intervalo de aparecimento de Vênus como estrela da manhã é de 263 dias, o período sinódico de Marte corresponde a três tzolkins, entre outras múltiplas hipóteses. Este calendário era usado para cerimônias rituais e consistia em 13 dias de 20 meses. Ao contrário do calendário Haab, os dias receberam nomes também associados à natureza e os meses foram numerados de 1 a 20. Para nomear as datas do calendário Tzolkin, o número do mês foi acrescentado ao nome do dia.


Os maias usavam os calendários Haab e Tzolkin simultaneamente, e até mesclaram a nomenclatura para poder se referir a certos eventos que ocorreram em anos diferentes. Isso acontecia porque uma certa data em um ano solar caía em uma data lunar diferente de outro ano solar. Por exemplo: com o calendário Tzolkin, a data "3 Akbal" se repetiria após 260 dias, e com o calendário Haab, a data "19 Kayab" se repetiria após 365 dias. Mas, usando os dois calendários simultaneamente, poderíamos ter a data "3 Akbal 19 Kayab", que não se repetiria antes de 18.980 dias ou 52 anos. Por isso, os períodos calendáricos dos maias eram de 52 anos, o que implicava um simbolismo especial para os maias e outras civilizações mesoamericanas: a renovação de tudo depois de 52 anos. A cerimônia do "novo incêndio" dos astecas ", por exemplo.



Imagem 1 - O "Caracol" ou o "Observatório" em Chichen Itza, além de se parecer com um observatório astronômico moderno, tem uma série de orientações relacionadas ao surgimento de Vênus e do Sol em datas-chave da cosmologia maia.


Se essa maneira de registrar o tempo pelos antigos maias é engenhosa, seu método cronológico de "contagem longa" é uma explosão de criatividade. Usada pela primeira vez por volta de 150-300 DC, a contagem longa foi usada para se referir a datas com mais de 52 anos de diferença. Como mencionamos as linhas anteriores, para os maias de dia ele recebeu o mesmo nome do sol: parentes. E por razões de registro cronológico, eles inventaram termos para vários períodos. Desta forma, 1 uninal é igual a 20 dias; o tun para 360 dias; o katum é equivalente a 7.200 dias ou 20 anos de 360 dias; e o baktum é equivalente a 144.000 dias ou 400 anos de 360 dias. Com esses termos, os maias poderiam fazer referências a datas de vários séculos com a mesma facilidade com que os astrônomos atualmente usam o dia juliano para acelerar seus cálculos astronômicos. O número de datas que podem ser representadas com a contagem longa chega a milhões. Assim, por exemplo, a data 9 baktum, 17 katum, 10 tum 0 uninal 0 kin (9.17.10.0) representa 30 de novembro de 870 DC. A data inicial da contagem longa (ou seja, 0 baktum, 0 katum, 0 tum 0 uninal 0 kin ou 0.0.0.0.0) corresponde a 11 de agosto de 3114 aC, uma data que talvez para os maias pudesse ter algum significado importante em seu conjunto de crenças, talvez o início do cosmos ou pelo menos de sua civilização. A longa contagem chega a 13 baktuns, o que nos dá um total de 5100 anos.


A longa contagem nos permite localizar uma data específica entre 734.400.000 dias!


Por Leila Ossola


Fonte: Arqueoastronomy


#pribetelgeuse

5 visualizações0 comentário