“RADIO NATURAL”, COMO ALTERNATIVA DIDÁTICA NA FISICA DE ONDAS

Por: Audemário Prazeres

Presidente fundador da A.A.P


Recentemente, realizamos uma brincadeira postando uma caixa recebida dos Estados Unidos em nossas mídias sociais relatando ser uma surpresa, e instigando os internautas em sugerirem do que se trata o interior dessa caixa. As respostas foram as mais variadas mas ninguém acertou do que se trata.

Pois bem, o que essa caixa contem, é um RADIOTELECÓPIO VLF que opera de forma portátil, e fixo do Programa INSPIRE da NASA. Isso mesmo !!! Agora a A.A.P., faz parte desse programa oficial da NASA contribuindo nas pesquisas em VLF, e promovendo o lado pedagógico que a Radioastronomia tanto necessita.


O grande desafio de lavarmos adiante um projeto relacionado à Radioastronomia, é a sensibilização das pessoas para entender a importância das ondas eletromagnéticas nas quais estão presentes no nosso cotidiano em diferentes formas artificiais, e natural de origem cósmica. A Radioastronomia tem sido mesmo moderadamente uma Ciência capaz de congregar e unir pessoas em todo o lugar em que prevalece a mesma curiosidade: Se ter uma melhor compreensão sobre as interferências das ondas de rádio no contexto em que estamos inseridos no Universo, e no nosso cotidiano na Terra quando detectamos sua presença refletida na ionosfera. Afinal, o fascínio que a Radioastronomia desperta no imaginário das pessoas independe de idade. homens, mulheres, jovens, velhos e crianças, todos se deixam cativar por sua beleza enigmática que ela esconde em seus mistérios. Porém, o formato que boa parte das mídias repassam sobre a Radioastronomia é contextualizada em conceitos, e exemplos descontextualizados com sua maneira correta, e lógica de existir. Com isso, cria altas expectativas incorretas que a Radioastronomia seus resultados são para estabelecer contatos com alienígenas.


Dessa forma, o vasto campo das pesquisas que a Radioastronomia nos oferece ficam de certo modo desmotivado para o seu desenvolvimento. Assim sendo, não é de se estranhar que os professores das escolas tenham receio em levar a Radioastronomia para a sala de aula ou que, quando o fazem, se apeguem em conteúdos dispostos na WEB sem terem a real concepção se de que os resultados vão ser bem sucedidos na prática com os seus alunos.

Foi pensando nessas e outras dificuldades, que a Associação Astronômica de Pernambuco - A.A.P., entidade fundada em 1985, sem fins lucrativos, e localizada no estado de Pernambuco no Brasil, possui a missão do desenvolvimento do projeto social intitulado “Astronomia Solidária”, deu início em seus trabalhos relacionados com à Radioastronomia visando um despertar da Iniciação Científica, e estimulando o lado didático entre os aficionados pela Física de Ondas, e por este segmento da Astronomia tão espetacular que é a Radioastronomia.


Dessa forma, quando conhecemos o Projeto INSPIRE, imediatamente identificamos os objetivos nobres da iniciativa educacional nos quais se assemelham bastante com o que praticamos na Associação Astronômica de Pernambuco – A.A.P., nos seus 36 anos de existência, que é viabilizar o fortalecimento das ciências nas quais realmente estejam ao alcance de todos. Dessa forma, realizamos o nosso projeto “Astronomia Solidária” nas comunidades que possuem dificuldades em terem acesso as práticas científicas, em especial, aquelas localizadas nos meios rurais das periferias dos centros das cidades onde ainda se pode desenvolver ações relacionadas à Astronomia Observacional, e Radioastronomia prática.


O INSPIRE, significa “Experimentos Interativos de Ionosfera e Rádio da Física Espacial da NASA”. Trata-se da montagem de um kit de receptor que atua na faixa de frequência VLF, denominado de “receptor VLF-3”. Este receptor foi projetado para receber ondas de rádio na faixa de frequência de 0 a 10 kHz nos quais captam emissões naturais de VLF principalmente gerado pelos raios onde os relâmpagos geram ampla-ondas eletromagnéticas de banda variando de alguns Hz até chegando em MHz. O kit INSPIRE não acompanha bateria, gravador digital, e antena retrátil. Esses itens comprei por fora para melhor otimizar o seu funcionamento. Pois, as baterias de 9 volts são recarregáveis, e o gravador digital tem capacidade de 32 Gb para registros dos distúrbios atmosféricos.


O Brasil é um dos países do Mundo com maior incidência de raios. De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), são mais de 78 milhões por ano! De 2000 a 2014, foram registradas 1.792 mortes por descargas elétricas, o que dá uma média de 120 por ano. O instituto também concluiu que dois terços dessas mortes acontecem em ambientes abertos, como praias, campos e plantações. Nessas condições, as chances de morte por descarga elétrica são de 1 para mil. No nosso país, a cada 50 mortes por descargas atmosféricas que ocorrem na Terra, uma acontece no Brasil. Inclusive, ocorrem aqui diversos incêndios nos biomas por conta da incidência de raios, além de problemas nas telecomunicações, sinais de operadoras de Internet, e danos nas torres de distribuição de energia.

Pretendemos de forma modesta criar um banco de dados com base nas investigações sobre o aumento ou diminuição do número de descargas elétricas geradas pelos raios na região agreste central do Estado de Pernambuco, onde se localiza a sede da A.A.P., de modo que possibilite apresentarmos um relatório do fluxo dessas descargas eletromagnéticas. Bem como, de forma em paralelo, iniciar uma ação pedagógica com os aficionados sobre os riscos dos relâmpagos e raios, e os conceitos de importância dos estudos das emissões de rádio natural, e sua dinâmica que por vezes ocasiona desligamentos de energia elétrica, e sinais de internet.


Nossa intenção como pesquisa com o uso do kit INSPIRE, é captarmos, e registrarmos as emissões de “rádio natural”, e descargas eletromagnéticas geradas pela incidência de relâmpagos. Pois, cada relâmpago cria um pulso de rádio que pode viajar milhares de quilômetros, saltando entre a superfície da Terra e a ionosfera. Afinal, os fenômenos mais importantes associados à propagação do VLF são as atenuações do espaço livre e da ionosfera gerados pela reflexão na superfície do solo com efeitos resultantes da anisotropia da ionosfera.


SEGUE ABAIXO IMAGENS DO NOSSO KIT INSPIRE DA NASA, NA BANCADA DE MONTAGENS DA A.A.P.


A garotinha das imagens é minha filha, Auitá Montenegro Porto dos Prazeres, de 10 anos, que deseja quando crescer ser uma Engenheira Espacial. Assim sendo, desde cedo ela vem aprendendo a identificar os componentes eletrônicos, e suas funções dentro dos sistemas. Ela já sabe usar o disco giratório de identificação dos resistores, e medir com um multímetro os seus valores.




















85 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo